Um novo começo | Portal Se Joga

Um novo começo

05.Dez.2013

Relacionamentos | Vida de solteira

Olá pessoal! O post de hoje é sobre um assunto muito particular, que eu venho adiando por algum tempo, por falta de coragem, ou de confiança talvez, para abrir seguramente meu coração pra vocês. Enfim...o fato é que eu, Camila, infelizmente, não estou mais casada há algum tempo. Para ser mais precisa, ontem fez exatamente um ano que me divorciei oficialmente e, no geral faz mais ou menos um ano e três meses que estou "solteira". Calma! Não fiquem em choque! Espero que estejam todas aí ainda, com paciência de ler até o final, rs... Primeiro, me desculpem por não ter abordado antes esse assunto aqui no blog. Como disse, não tinha me sentido a vontade para falar sobre isso antes e expor aqui, num espaço em que falamos de coisas boas e felizes, um assunto tão delicado como este. Acho que não cabe entrar em detalhes sobre os motivos ou como foi, mas acho que contar minha experiência pode ajudar muitas meninas que podem estar passando por isso, já que infelizmente isso acontece com muito mais frequência do que imaginamos, mas nem todo mundo toca no assunto... Não foi uma escolha minha. E não foi nada fácil. No início, pensei que era um grande pesadelo, que eu iria acordar e que tudo ficaria bem. Foram dias e noites de um sofrimento que não consigo explicar. Primeiro, o baque. Depois, a reação imediata de querer consertar o que já não havia mais conserto. Em seguida; "o que os outros vão pensar?". "Como vou contar pra todo mundo?". "E o blog?" Meu Deus... Não consigo contar aqui o quanto lutei e o quanto tentei recuperar meu casamento, Mas, ao mesmo tempo, eu SABIA, eu SENTIA no fundo do meu coração que, infelizmente, não havia nada que pudesse ser recuperado. E aí doeu mais ainda, pois além da frustração do fim, ter que encarar o fato de que o fim era a melhor coisa a se fazer, também me deixou arrasada! Poxa, ninguém casa pra se separar, certo? Eu posso jurar pra vocês que fiz tudo, tudo aquilo que estava ao meu alcance mas, chegou uma hora que percebi que não dependia só de mim. Eram coisas que eu, sozinha, não podia mudar. E de repente me vi "sozinha". Difícil encarar, viu? Mas fui vendo, também, que não seria impossível. Que não era o fim do mundo...e os motivos que me fizeram pensar dessa forma são três, apenas três: 1) Minha família; primeiramente minha irmã e meus pais, e toda minha grande e maravilhosa família que esteve ao meu lado o tempo todo; 2)Minha religião; sem ela eu jamais teria capacidade de aceitar, ter forças, serenidade, fé e tranquilidade para seguir em frente; 3) Minha vida! Poxa...quantas pessoas no mundo passam por dificuldades infinitamente maiores e piores do que essa? Muitas sozinhas, muitas sem ter com quem contar. E eu, tenho minha família, meus amigos incríveis, meu trabalho, minha casa, tenho saúde...Claro que nada disso diminui o sofrimento, mas dar valor a vida que eu tenho e pensar assim, me ajudou bastante. Outra coisa que me ajudou e me ajuda muito, foi fazer terapia. Na terapia eu consegui enxergar que a culpa não era toda minha (eu pensava que era), CALMA! Não estou jogando culpa em ninguém, mesmo porque, numa relação, tudo é (ou deve ser), 50% de cada um. E lá, durante minhas sessões, eu comecei a observar e entender os MEUS 50%, onde errei, onde acertei...e com isso foi mais fácil aceitar e lidar com a situação. Foi lá que eu consegui entender e enxergar que eu, Camila, já não era mais eu fazia muito tempo...talvez eu tenha me deixado levar pela situação, pela comodidade de uma relação e talvez casar não tenha sido uma decisão tão madura como deveria ser. Claro que eu digo isso hoje, depois de olhar pra trás e analisar tudo com certo distanciamento. "Ah, então porque casou?" e "Nossa, mas demorou 10 anos pra perceber que não tinha nada a ver com a pessoa?", são duas perguntas muito recorrentes...se não me fazem diretamente, tenho certeza que pensam, rs! Pois é gente...as vezes a gente só conhece o outro e também NOS conhece, com a convivência. Descobrir que a incompatibilidade não tinha mais jeito, perceber que as diferenças eram tantas e tão grandes, depois de tanto tempo junto, não foi fácil! Aliás, não é fácil casar! Eu acredito que, em algum momento, as essências se perderam e, falando por mim, mudei muito! Eu mesma mudei, sozinha, pensando que talvez pudesse agradar mais assim, sendo diferente. Só que chega uma hora que a gente não suporta mais não ser a gente, certo? E uma das minhas grandes tristezas, foi perceber isso. Claro que o final do casamento me deixou muito chateada, mas fiquei muito mais decepcionada comigo mesma, em ver o ponto que eu mesma me deixei chegar. Sempre fui uma pessoa alegre, sedenta, explosiva, agitada, animada! E, de repente, me vi o oposto! Me vi criticando coisas que eu adorava fazer, por exemplo, e já não fazia mais...O motivo? Ainda tento descobrir...mas acho que por conveniência, não sei. Enfim, passado o período que eu chamo de "inferno" - período este que, mesmo com tudo ruindo, mesmo destruída por dentro, nunca deixei de lado minhas coisas, nunca faltei ao trabalho, não deixei de ir a academia e até passei a me dedicar mais a corrida (as vezes malhava e corria chorando...mas estava lá, aquilo me fazia bem!) - passado esse período, veio o recomeço. Sempre digo pras pessoas que eu tinha apenas duas opções: ficar em casa chorando depressiva e engordando ou sair e me distrair. E lógico, escolhi a segunda opção. Continuei morando sozinha (e assim estou até hoje e cada dia mais tenho certeza que foi a melhor escolha que fiz!), e então minha casa passou a ser ponto de encontro dos amigos solteiros...tudo começou num domingo, quando um grupo bem improvável de pessoas acabou se transformando num grupo inseparável de grandes amigos. Ali deu-se início a um período muito gostoso (e agitado!), que foi muito importante naquela fase. Foi aí que tive que reaprender muitas coisas! Muitas mesmo!!! Tudo muda! Não tinha mais meus amigos "casais" para sair. Quer dizer, eles estavam sempre lá, mas eu não me sentia nada bem em ambientes de "casal", recém-separada. Foi difícil, pois foi nessa época em que me afastei um pouco da minha irmã inclusive, pelos programas serem diferentes, naturalmente. E lá estava eu, na balada, "avulsa". Aiiii meu primeiro domingo no sertanejo! Me senti um peixe fora d'água, completamente perdida, não conhecia ninguém, nenhuma música, nada!!! rsrs...mas aos poucos fui me acostumando com os novos hábitos, e nem foi tão difícil assim (decorei todos os arrochas e hoje eu adorooo, rs!) Claro que muitas e muitas noites chorei de raiva, de frustração, de tristeza...mas pelo menos eu havia saído de casa, havia me distraido por algumas horas, pelo menos. E assim fui conhecendo gente nova, fazendo novas amizades, conhecendo novos lugares, voltando a frequentar lugares que há muito eu não ia. E a vida de "solteira" (porque oficialmente sou "divorciada"), foi acontecendo. Sai MUITO, viajei um monte e nisso me permiti conhecer pessoas. E isso foi incrível! Meu Deus, como eu era chata! Como eu julgava e já julguei pessoas sem ao menos conhece-las...Olha, se tem alguém aqui lendo isso, que está passando por situação parecida, pare e olhe ao seu redor. Sabe aquela amiga de uma amiga que você nem conhece direito e que também terminou o namoro ou que também acabou de se separar? Então...dê uma chance a ela e a você mesmo, pois aí pode nascer uma grande amizade. Claro, as vezes a gente se enfia em cada situação, com pessoas nada a ver...mas o máximo que pode acontecer é render boas risadas e história pra contar. E posso dizer que neste último ano acumulei várias! As vezes eu nem tinha pique pra sair, mas me arrumava e ia. Vai saber o que pode acontecer, não é? E outra, eu nunca fui de ficar chorando e me lamentando. Claro que tive meus momentos e, nessas horas, eu escolhia ficar sozinha em casa, fazendo minhas orações, tendo meus ataques de choro ou simplesmente assistindo televisão, ou fazendo uma faxina nos armários, por exemplo. E ao longo de um ano experimentei as mais diversas sensações, sentimentos e emoções. Me descobri uma pessoa forte, da qual me orgulho imensamente! Não tenho vergonha de contar aqui, aliás, sinto agora um alívio tão grande, mas tão grande, que vocês não podem ter noção! Meu grande medo era contar aqui no blog. O que elas vão pensar? Justo eu, que falo só sobre casamento, não estou mais casada! Será que elas vão me achar uma farsa? Cheguei até a escrever um post de despedida e de encerramento do blog. Mas, ao mesmo tempo em que não tinha condições de escrever, não tive coragem de terminar o blog...e graças a vocês e a principalmente a Paula que segurou as pontas sozinha aqui por um bom tempo, isso não aconteceu. Parece que o número de e-mails e comentários começou a aumentar, anunciantes começaram a nos procurar...não podia e nem conseguia fazer isso. Eu tenho certeza que serei compreendida por vocês. E se desapontei alguém com essa noticia, eu peço minhas sinceras desculpas, mas a vida é assim gente. A gente nunca sabe o que pode acontecer, aliás a gente acha que nada vai acontecer com a gente, sempre é com outros né? Mas não... Então hoje, quero que saibam que, mesmo tendo passado por tudo isso, eu estou bem! Se não estivesse tranquila em relação a este assunto, eu jamais iria escrever a respeito...tanto que demorei, até esse momento certo chegar. E chegou hoje. Estou MUITO feliz e posso dizer sem medo e com MUITA sinceridade, que tive um ano maravilhos!!! Foram meses de muito crescimento, auto-conhecimento, descobertas e muitas realizações. Parece que tudo deslanchou, meu desempenho no trabalho tanto aqui no blog como na empresa estão muito melhores, consegui realizar projetos, tirar ideias do papel e colocar na prática, passei a me dedicar muito mais a mim mesma, a fazer escolhas minhas e só minhas doa a quem doer, parei de sofrer por bobagem...nossa, quanta coisa! Me sinto hoje, extremamente realizada e feliz. Acabo de me apresentar dois dias no festival de dança da minha escola Spaço Alfa e putz...que sensação incrível de realização, de superação! Que emoção!!!! Meus olhos se enchem de lágrimas por PURA GRATIDÃO! Se eu tive que passar por isso, eu passei. Foi difícil, mas foi maravilhoso. E não pensem que deixei de acreditar no casamento, pelo contrário. Tenho o maior exemplo de que casamento existe, que são meus pais. E dentro de mim eu nunca deixei de acreditar em família, nunca deixei de acreditar que duas pessoas podem se amar e se completar pro resto da vida. Ok, no começo achei que ia morrer sozinha (acho que todo mundo que termina um relacionamento pensa isso né), que ia ser uma velha solteirona vivendo de casos com velhos solteirões pro resto da vida, hahahaha, a louca! Mas, apesar de parecer clichê, quando a gente menos espera, na hora mais louca, no lugar mais inusitado e da forma mais inesperada, a vida nos surpreende e nos presenteia com alguém especial, que faz com que a gente volte a acreditar, mesmo que ainda com uma certa insegurança, que é impossível ser feliz sozinho...que o amor é muito simples...que quando a gente se ama em primeiro lugar o resto vem....e aí, nada mais importa! Quero aproveitar esse post para agradecer algumas pessoas, alguns sabem exatamente os motivos do meu "obrigada", outros podem não imaginar que foram e são tão importantes assim, então fiquem sabendo: Meus pais por serem mais que perfeitos, minha irmã maravilhosa e Maurinho meu cunhado (casal nota mil e parceiro sempre),  minha tia Bia, todos os meus tios e tias, primos e primas, avós e familiares que mantiveram a discrição e me respeitaram e ficaram ao meu lado, aos amigos dos meus pais, Gabi e toda sua família que me acolheram em todas as horas (Nel tb), minhas amigas de infância Fabi, Rafa, Lag e Tota, que sempre estiveram ao meu lado, minhas amigas e amigos da fase solteira, que fizeram cia nos momentos de desabafo e nos momentos de curtição e que ainda fazem cia (principalmente no whatsapp) - Lu, Teacher, Lili, Xota, Du, Bruna, Beto, Pepito, Leo, Miki, minhas queridas Borges, Zão, Zuca e Jô, sempreee animando e alegrando minha vida, a minha personal maravilhosa que me incentiva e me motiva e me ouve, aos meus professores de dança Bia e Lucas, por trazerem mais alegria aos meus dias, minhas amigas das aulas de dança, lindas e divinas e queridas, minha médica neurologista Maria Silvia, minha psicologa maravilhosa Márcia, Ana Elisa minha fisioterapeuta e "terapeuta" rs, Jacy, meninas dos salões que faço as unhas e cabelo, todo pessoal do escritório que é incrível e que bota fé em mim e me estimula sempre a ser uma profissional melhor, minhas amigas casadas Carol, Bruna, Vanessa, Marília, Luciana, Melina pelos almoços e papos deliciosos, minhas "Raquéis" que mesmo distantes estão sempre presentes na minha vida, e muitas outras pessoas que passaram, mesmo que rápidamente, foram importantes...e claro, VOCÊS leitoras e leitores deste blog, sem vocês eu teria cometido um dos maiores erros que seria o fim do blog e sem vocês eu não seria tão feliz com o blog como sou hoje...enfim, a todos que me acompanharam especialmente neste último ano, obrigada por estarem presentes na minha vida. Agradeço a Deus pela força que me deu e me dá todos os dias e pela minha fé. E por fim, não posso deixar de agradecer ao Dalmo, por trazer mais alegria aos meus dias, mais leveza pra minha vida e por ser tão amoroso e companheiro. Você é especial =) E é isso gente, acho que consegui colocar pra fora tudo que queria e da forma que eu queria: com sinceridade e do fundo do meu coração, aqui pra vocês. Sentia que estava "devendo" isso pra vocês, estava precisando contar oficialmente, afinal vocês são parte de mim e da minha vida! Que venha 2014 com muuuuuuuuuitas realizações, teremos muitas novidades aqui no blog e obrigada por tudo! foto 1 foto 2 foto 3 foto 4 foto 5 foto 1 foto 2 foto 3 foto 4 Um grande beijo com muito carinho, Camila.  

Camila Stecca Stefan

Sou publicitária, amo festas e amo viajar! Moro junto com meu noivo Dalmo, por quem sou apaixonada, e além do Portal Se Joga, sou proprietária da Dois Quartos Conteudoria, uma produtora de conteúdo. Instagram: @camilaste | Snapchat: camilaste1
Email: camila@portalsejoga.com.br

Você também pode gostar!

Envie um Comentário!

Camila Stecca Stefan
2015-01-30 09:27:46

Oi Juliana! Realmente existes situações que precisamos passar, para aprender e crescer. Não foi fácil, você sabe pois viveu a mesma coisa. Porém, a gente descobre uma força e volta muito melhor. Hoje encontrei uma pessoa maravilhosa, que com certeza não teria conhecido se não tivesse passado pelo que passei. E que demais que você esta noiva!!!!!! Mutas e muuuuuuitas felicidades pra vocês!!!!!! Um grande beijo e muito obrigada pelo seu comentário.

CADASTRE-SE E RECEBA TODAS AS NOVIDADES SOBRE PARCEIROS, PRODUTOS E PROMOÇÕES EXCLUSIVAS: